Pesquisar este blog

sexta-feira, 17 de julho de 2015

A Indú$tria do Holocau$to

"A História não é bem como nos contaram"

"Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade"

--

Livro escrito por um judeu. Cada um que tire suas próprias conclusões:



--

Para o cientista político, Norman Finkelstein, o Holocausto é uma indústria que exibe como vítimas o grupo étnico mais bem-sucedido dos Estados Unidos, permitindo então a apropriação de mais recursos financeiros e, ao mesmo tempo, articular uma campanha de autopromoção por meio da imagem de vítimas. Decorre do conceito original de Finkelstein esta configuração industrializada para o processo de reprodução e promoção dos “dogmas e interesses ocultos do Holocausto”(p. 14), os quais “forçam laços importantes com o judaísmo e o sionismo”(p. 54).
“Indignado com a falsificação atual e grosseira exploração do martírio judeu”, Finkelstein denuncia em sua obra a manipulação do sofrimento dos judeus europeus durante a Segunda Guerra Mundial, principalmente durante o episódio histórico denominado Holocausto. Para ele, o Holocausto é uma indústria que exibe como vítimas o grupo étnico mais bem-sucedido dos Estados Unidos, permitindo então a apropriação de mais recursos financeiros e, ao mesmo tempo, articulando uma campanha de autopromoção por meio da imagem de vítimas.
 Texto retirado de http://inacreditavel.com.br/wp/a-industria-do-holocausto/:

quinta-feira, 16 de julho de 2015

1984 chegando na Inglaterra

O governo do Reino Unido quer proibir todas as comunicações criptografadas como as que oferecem os serviços como iMessage, WhatsApp ou Snapchat.

A proibição proposta é a nova versão de um projeto de lei de vigilância previamente revogada.

O primeiro ministro Cameron justifica as medidas com a desculpa de lutar contra o terrorismo.


Cameron já defendeu a proibição de todas as comunicações criptografadas após os atentados de Charlie Hebdo, argumentando que:

"Devemos permitir uma forma de comunicação entre as pessoas que não podemos ler? Não, não devemos".

Em maio, o governo britânico anunciou que introduziria uma lei que fortaleceria a capacidade do governo para coletar dados em massa, com o objetivo de satisfazer as necessidades das agências de inteligência durante operações chave.


Agora, o projeto inclui um dispositivo para proibir o WhatsApp, iMessage e Snapchat e também requer que as empresas de internet mantenham registros completos de todas as comunicações em suas plataformas.

Isto inclui Facebook e o Google, que deveriam entregar toda a informação que o governo queira e quando queira.

Como Cameron, os funcionários americanos criticaram a criptografia como um perigo para a segurança nacional.

Segundo os defensores das liberdades cidadãs, ao proibir todas as formas de comunicação não controladas pelo governo, o Reino Unido está cruzando uma linha perigosa da tirania.


O grupo de defesa das liberdades civis afirma que "O regime atual oferece garantias suficientes para garantir que tal vigilância seja executada legalmente, e de maneira necessária a proporcional."

Nick Clegg

O ex vice-ministro Nick Clegg, o qual ajudou a bloquear a versão anterior do projeto de lei, afirma que: "Isto não é algo inofensivo. Será uma nova e dramática mudança na relação entre o Estado e o indivíduo. As pessoas que afirmam que são felizes aceitando que suas comunicações sejam vigiadas porque 'não têm nada a esconder', não chegaram a entender algo fundamental em relação às sociedades democráticas abertas: Não estaremos mais seguros, sendo menos livres.

Além disso, segundo Bruce Schneier, um especialista em cibersegurança:

"Isto é o tipo de coisa que somente os governos autoritários fazem".

A ideia é tão absurda que é difícil imaginar que isto seja sério. A única possível explicação que me ocorre é que Cameron não tem ideia da magnitude do que está dizendo.

Se aplicarem esta lei, aos cidadãos do Reino Unido será proibido o uso de software seguro, e as empresas do Reino Unido serão proibidas de produzir software seguro. O governo terá que cumprir com a censura na internet: as pessoas não poderão baixar software seguro, os motores de busca não poderão responder as consultas sobre software seguro, e cada pacote será inspecionado para garantir que não está criptografado com sistemas seguros. Os sistemas informáticos fechados como o iPhone proibirão que seus usuários instalem software seguro e sistemas de computação abertos como Microsoft Windows serão redesenhados para proibir que seus usuários instalem software seguro. O software livre estará proibido. Ninguém poderá entrar no Reino Unido com um dispositivo que não cumpra as normas.


Bruce Schneier


É algo horrível e totalmente inviável. O pior de tudo é que estas medidas não vão funcionar e a única coisa que conseguirão é destruir a internet.

Além disso, a criptografia é uma das coisas que nos protege dos terroristas, criminosos e espiões. A criptografia nos protege de todo tipo de ameças na internet em relação aos nossos dados e comunicações. A criptografia protege nossos segredos comerciais, nossas transações financeiras, nossos registros médicos e nossas conversas. No mundo em que os ataques cibernéticos são cada vez mais comuns e mais catastróficos, a criptografia é uma de nossas defesas mais importantes."


É esperado que o parlamento britânico aprove o projeto de lei em 2016.

O Reino Unido não se parece cada vez mais com o estado fascista do filme "V de Vingança"?

E esta infecção tirânica está se expandindo pelo mundo todo...




Fontes:


http://www.anovaordemmundial.com/2015/07/reino-unido-quer-proibir-o-whatsapp-para-lutar-contra-o-terrorismo.html#ixzz3fxsPct5I

http://www.independent.co.uk/life-style/gadgets-and-tech/news/whatsapp-and-snapchat-could-be-banned-under-new-surveillance-plans-9973035.html


quarta-feira, 15 de julho de 2015

Vacinas, Eugenia e Redução Populacional

Bill Gates, em palestra de 2010:
“If we do a really great job on new vaccines, health care, reproductive health services, we could lower that by perhaps 10 or 15 percent.”

Tradução: "Se realmente fizermos um grande trabalho na criação de novas vacinas, assistência de saúde, serviços de saúde reprodutiva, abaixaremos a população mundial em 10 ou 15 por cento"





--


Esterilização em massa na África


Num comunicado divulgado em 2014 pela Associação dos Médicos Católicos do Quênia, a organização encontrou um antigénio numa vacina administrada a 2,3 milhões de meninas e mulheres que provocam abortos. Esta vacina é administrada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e UNICEF.

"Enviamos seis amostras de todo o Quênia para laboratórios na África do Sul. Eles testaram positivo para o antígeno HCG ", disse o Dr. Muhame Ngare Centro Médico Mercy, em Nairobi segundo a LifeSiteNews.

Dr. Ngare, porta-voz da Associação dos Médicos Católicos do Quênia, disse em um boletim publicado em 4 de novembro:

"Esta campanha da OMS não é erradicar o tétano neonatal, mas este é um exercício coordenado de esterilização em massa com uma vacina que regula a fertilidade. Esta evidência foi apresentada ao Ministério da Saúde antes da terceira rodada de vacinação, mas foi ignorado."


Manifesto da "CNBB" queniana:

"Antes da campanha de vacinação em massa contra o tétano em março e outubro de 2014, a Igreja Católica levantou preocupações sobre a segurança da vacina que estava sendo utilizado. Isto foi informado pelo que tinha acontecido no México, Nicarágua e Filipinas, onde a OMS / UNICEF tinha realizado campanhas semelhantes usando toxóide tetânico impregnado com beta HCG que faz com que a produção de anticorpos contra o HCG natural, resultando em infertilidade permanente." (...)

Na íntegra: http://www.kccb.or.ke/home/news-2/pressstatement-tetanus/



--



Gates"Ora, se realmente fizermos um grande trabalho na criação de novas vacinas, assistência de saúde, serviços de saúde reprodutiva, abaixaremos a população mundial em 10 ou 15 por cento", disse ele.
Quando o co-fundador da Microsoft e promotor do controle populacional Bill Gates falou recentemente sobre usar vacinas para reduzir a população mundial, ele deu início a uma onda de especulação sobre sua possível insinuação de campanhas disfarçadas de esterilização. De acordo com a Fundação Gates, porém, o multimilionário de fato defende o uso de vacinas para diminuir a mortalidade infantil - algo que ele afirma que realmente diminui o crescimento da população.
Os comentários de Gates ocorreram enquanto ele estava dando um discurso numa conferência de TED (tecnologia, entretenimento e design) sobre como os seres humanos podem reduzir suas emissões de CO2 a fim de reduzir o aquecimento global. "A temperatura só vai parar de subir", afirmou ele, "quando chegarmos a quase zero [em emissões de carbono].
Pelo fato de que a quantidade de CO2 emitida tem relação com a população humana, Gates mencionou resumidamente meios de reduzir a projetada população mundial, inclusive "serviços de saúde reprodutiva" - aborto e contracepção - bem como vacinas.
"Ora, se realmente fizermos um grande trabalho na criação de novas vacinas, assistência de saúde, serviços de saúde reprodutiva, abaixaremos a população mundial em 10 ou 15 por cento", disse ele.
Gates é famoso por financiar medidas de controle populacional pró-aborto - mas a referência que Gates fez sobre vacinas imediatamente lançou especulações com relação ao uso de tais drogas para disseminar agentes esterilizantes em grande escala.
Campanhas de vacinação no passado foram encobertamente usadas para esterilizar mulheres. Em 1995, o Supremo Tribunal das Filipinas descobriu que as vacinas usadas numa campanha de vacinação antitetânica do UNICEF continham o B-hCG, que quando dado numa vacina, destrói permanentemente a capacidade de uma mulher sustentar uma gravidez. Aproximadamente três milhões de mulheres já haviam tomado a vacina.
Apesar disso, Gates afirma trabalhar com uma perspectiva aparentemente contraditória de que diminuindo-se a mortalidade infantil também diminui-se o crescimento da população. Em resposta a uma pergunta de LifeSiteNews, a Fundação Gates - observando que Gates havia discursado no evento de TED exclusivamente a título pessoal - apontou para o fato de que Gates disse em sua Carta Anual de 2009 que um "fato surpreendente, mas crítico, é que reduzir o número de mortes [infantis] realmente reduz o crescimento populacional".
Ele continuou, explicando que a teoria de que pais terão mais filhos quando a mortalidade infantil é elevada, a fim de garantir que vários filhos sobrevivam para cuidar deles quando envelhecerem.
"Se melhorarmos o sistema de saúde numa sociedade... de forma surpreendente, o crescimento populacional cai", Gates disse para a CNN em 2008. "E é por isso que os pais precisam ter alguns filhos para sobreviver na vida adulta para cuidar deles quando ficarem velhos".
"E assim, se eles pensam que ter filhos é o que eles precisam fazer para ter pelo menos dois para sobreviver, é isso o que eles farão. E o que é estupendo é que no mundo inteiro, à medida que o sistema de saúde melhora, então o crescimento populacional é realmente reduzido".
A Fundação Bill e Melinda Gates recentemente se comprometeu a doar dez bilhões de dólares para vacinar crianças no mundo inteiro.

Tradução: Julio Severo


--

Fontes: 


http://forum.antinovaordemmundial.com/Topico-esc%C3%A2ndalo-vacina%C3%A7%C3%A3o-da-oms-e-unicef-em-%C3%A1frica-%C3%A9-para-tornar-est%C3%A9reis-os-africanos

http://www.anovaordemmundial.com/2010/03/bill-gates-admite-que-vacinas-sao.html


quinta-feira, 2 de julho de 2015

Homem com HIV desafia pessoas a tocá-lo em praça na Finlândia. E o resultado foi incrível

https://br.noticias.yahoo.com/homem-com-hiv-desafia-pessoas-a-toc%C3%A1-lo-em-pra%C3%A7a-na-finl%C3%A2ndia--e-o-resultado-foi-incr%C3%ADvel-124144305.html


Um homem portador do vírus HIV decidiu realizar uma pesquisa sobre preconceito na Finlândia. Em uma praça de Helsinque, ele permaneceu de pé e com os braços abertos com uma placa ao lado escrito “sou soropositivo. Toque-me”. A reação das pessoas foi emocionante. Documentado, o desafio foi postado no Youtube e vem fazendo sucesso entre os internautas. Nas imagens, gravadas com o objetivo de debater o preconceito vivido por portadores de HIV no país, é possível ver quem passava pelo local relutando no início a tocar no rapaz. Pouco depois este cenário muda. Várias pessoas, incluindo crianças e idosos, não só apertaram a mão de Janne, como o abraçaram e o consolaram. No fim do vídeo, o homem não contém a emoção e cai no choro.


 

Follow by Email